sábado, 13 de maio de 2017

ROTA DAS MISSÕES


ROTA DAS MISSÕES

As Missões Jesuíticas
Os SETE POVOS DAS MISSÕES - Rio Grande do Sul - Brasil



Quando o índio guarani Sepé Tiaraju bradou aos seus incautos inimigos, portugueses e espanhóis, “ESTA TERRA TEM DONO”, durante a “Guerra Guaranítica”, parece que estava selado ali o fim das reduções jesuíticas na região dos Sete Povos das Missões, no Rio Grande do Sul.

E foi o que aconteceu. No início do século XIX, pouco sobrou de índios que viviam nas reduções.

Acredito que é a primeira vez que vou fazer uma apresentação histórica, antes mesmo de começar a relatar o que foram os passeios que realizei pela região; e olha que foram exatamente sete. Apenas coincidência...

A história das reduções jesuíticas deve ser dividida em duas partes:

Primeira, a partir de 1606, que perdurou até 1637, quando os bandeirantes paulistas expulsaram todos os índios reduzidos. Época em que aconteceu o “êxodo da Província de Guayrá”, quando cerca de doze mil índios, comandados por jesuítas, desceu o rio Paraná, sendo que dois terços deles desapareceram durante a fuga, seja por afogamento, doenças, fome, ou outra causa qualquer. Depois os índios foram armados pelo governo espanhol, e passaram a defender seu território. Na Batalha de M’bororé, em 1641, os bandeirantes são derrotados. Talvez pelas derrotas seguidas, e também por terem os bandeirantes corrido atrás de outro interesse, o ouro, os índios passaram por um período de paz.

Segunda, a partir de 1680, com a fundação da Colônia de Sacramento e, logo em seguida, a primeira redução, das sete, a de São Borja, à beira do rio Uruguai. Em 1687 veio a de São Nicolau, São Miguel e São Luiz Gonzaga. Em 1690, São Lourenço Mártir. Em 1697, São João Batista, que originou-se da desmembração do povo de São Miguel. Finalmente, em 1706, Santo Ângelo, que em 1707 deslocou-se para outro lugar próximo, que tornou definitivo.

Definido, aí, os Sete Povos das Missões. Somando-se aos povos instalados na Argentina e no Paraguai, eles chegavam a trinta. Em 1732, os sete povos já contavam com quase quarenta mil pessoas.

Em 1750, com a assinatura do Tratado de Madrid, entre Espanha e Portugal, onde houve a permuta entre a Colônia de Sacramento com os Sete Povos das Missões, culminou com a expulsão dos índios missioneiros da margem esquerda do rio Uruguai, onde estavam, que deveriam abandonar suas terras e casas.

Foi nessa época que aparece a liderança de Sepé Tiaraju, que era alferes (um militar) do povo de São Miguel. Ele tentou evitar a demarcação das terras, lutando com bravura contra os portugueses e espanhóis. Acabou morto em 07/02/1756, na Batalha de Caiboaté. Na batalha morreram 1500 índios. Só para efeito de comparação, morreram apenas um soldado português e outros três espanhóis. Tamanha foi a desproporção da guerra.

Pior que em 1761 revogaram o Tratado de Madrid; tanto sofrimento e morte à toa. Mas em 1767 foi decretada a expulsão dos jesuítas dos domínios espanhóis. Começava então, definitivamente, a decadência desses povos.

Muita luta ainda foi travada na sequencia; muitos desbravadores tentaram explorar as terras. Chegavam imigrantes e se assentavam...

A Lei número 36, de 1833, declarou pertencer aos Próprios Nacionais do Brasil, todas as terras dos índios das Missões. Já em 1835, haviam apenas 374 índios remanescentes. Em 1855 Luisa Tirarapé, a última autoridade guarani reconhecida, reagrupou os últimos Guarani, no Uruguai, e lá morreu em 1881.

Lógico que isso é o resumo do resumo.

As perguntas que ficam são as seguintes: Como seriam esses povos hoje, se não tivesse acontecido tudo isso? Os jesuítas fizeram bem à comunidade Guarani?

Uma coisa é certa. Muito da cultura gaúcha atual é herança dos povos guaranis reduzidos. A introdução do gado, do mate e de tantas outras atividades, vieram desses povos.

Cada um desses povos tinha sua peculiaridade, sendo hábeis em escultura, música, artesanato... Viviam também do comércio. Tudo era ensinado pelos padres jesuítas. As famílias poderiam ter propriedade, e assim criaram sistemas econômicos, chamados “Abambaé” e “Tupambaé”, sem circulação de dinheiro, que não eram capitalistas, nem tampouco socialistas.

Toda essa história pra, mim, é fantástica. Não vou continuar. Atualmente é fácil fazer pesquisas e buscar mais detalhes. Trouxe um apanhado aqui, porque quando me interessei em visitar as ruínas jesuíticas pela primeira vez, não sabia o que iria encontrar, e acabei ficando encantado (Bibliografia: Mário Simon, escritor gaúcho).


Agora sim passo a contar as aventuras pelas bandas gaúchas das missões, e também das “missiones” argentinas e paraguaias.

JANEIRO DE 2004
Pela primeira vez depois de muitos anos, ouvia algo sobre AS MISSÕES. O Gestennberg, que há anos já organizava passeios de cicloturismo, e ainda o faz, através da Bikesul Adventures, de Curitiba, perguntou se eu estava interessado em fazer um passeio de bicicleta por aquela região.
A proposta era de acompanhar o grupo de amigos e familiares dele, que somados a outros interessados, permitiriam fretar um ônibus até a região das missões, no Rio Grande do Sul, e lá pedalar por cerca de 300 km, conhecendo assim pelo menos seis dos sete povos das missões, sua história e ruínas ainda preservados em alguns deles.
Deveríamos sair numa sexta-feira à noite, daquele mês de janeiro de 2004; passar o sábado em Santo Ângelo (cidade que é originada de um dos sete povos missioneiros, sem muitas ruínas), e a partir de domingo iniciar a pedalada pela Rota das Missões, retornando no próximo sábado à cidade e então voltar para casa.
Aceitei. Como estava de férias, fiquei logo pensando: "- Por que eu não vou pedalando até a região das Missões, e me encontro com eles lá?". Esse pensamento não saía da cabeça. Olhei mapas; vi a melhor rota, e decidi seguir pela BR 476, por Araucária, Lapa, etc...
Percebi que não seria uma tarefa fácil, pois teria pela frente cerca de 800 km, para fazer em uma semana. Pretendia sair na segunda e chegar na sexta-feira. O resto do grupo chegaria no sábado pela manhã.
Preparei meu alforje e parti. Cometi alguns equívocos no primeiro dia. O primeiro foi não sair muito cedo; depois, quando me encontrava no bairro Pinheirinho, no sul da cidade, quando já havia percorrido 16 km, que estava indo na direção da BR 116. Aliás, já estava na BR. Poderia ter pego uma outra avenida, pouco antes, e seguir direto a Araucária de forma mais rápida e mais curta. " - Tudo bem, estou bem disposto...". Depois ainda parei na cidade histórica da Lapa, 55 km depois dessa saída.
Parar na Lapa é muito legal, mas já havia feito isso outras tantas vezes, porém estava empolgado, e como já estava "atrasado", isso refletiria mais no final da tarde. Pelo horário, e achando que não encontraria lugar bom para comer, já almocei por ali mesmo, não sem antes visitar alguns pontos turísticos.

Minha previsão era a de dormir em São Mateus do Sul. Quase 60 km depois da Lapa, resolvi parar. Estava cansado sim, mas o problema que estava anoitecendo; tinha mais 30 para chegar à cidade. Percebi um hotelzinho à beira da estrada e parei. Aproximadamente 130 km no dia. O jeito era descansar e continuar no dia seguinte; tracei, então, como objetivo, chegar a União da Vitória, na divisa com Porto União, já no estado de Santa Catarina.

Levantei cedo e parti. Logo passava por São Mateus do Sul, pela entrada de Paulo Frontin e 120 km depois parava em Porto União/SC, que é separada de União da Vitória/PR, apenas pela linha do trem.

Já sabia de antemão que o dia seguinte seria uma "pauleira", com quilometragem alta e muitas subidas, então me preparei descansando bastante.


Parti cedo, já pegando a primeira serrinha; depois ficou no sobe e desce da BR 153. Passei por General Carneiro/PR, única cidade à beira da estrada até a entrada de Concórdia/SC, nos praticamente 180 km pedalados. Felizmente não precisei entrar na cidade, pois tinha um hotel a poucos metros, na estrada de acesso ao centro. Facilitou para reiniciar a jornada do dia seguinte.

Como cheguei à Concórdia depois de uma longa subida, o certo era que agora era a vez de descer. E foi. Acho que perto de uns 25 km até o rio Uruguai; que delícia! Mas do outro lado da ponte, já no Rio Grande do Sul, tive que voltar a subir (rs). Tudo certo; escolhi isso pra mim e estava feliz.

Novamente existiam poucos pontos de parada, ou cidades até Passo Fundo, que escolhi para pernoitar. A maior cidade até lá era Erechim. Almocei na região. Depois era "só" fazer uns 80 km até o destino do dia.

Mas o calor de verão prenunciava chuvas de final de tarde, e não foi diferente naquele dia. Porém, o que se vislumbrava no horizonte não parecia uma chuva, mas sim um baita temporal. O cinza escuro das nuvens, e o vento que já se avizinhava, assim o diziam.

Já havia passado por Getúlio Vargas e estava a 10 km, mais ou menos, do lugar conhecido como Coxilha, num entroncamento da RS 135, quando resolvi parar procurar um abrigo. Pela experiência, vi que aquela chuva chegaria em menos de quinze minutos. Logo depois desse entroncamento, percebi uma barraca precária, de venda de produtos caseiros. Tinha um senhor por lá. A cobertura, de lona, já sacolejava bastante. Mesmo já sabendo da resposta, perguntei se ele tinha ideia de quanto tempo a chuva demoraria para chegar, e se tinha algo perto, para frente, para me proteger. Ele concordou comigo de que não passaria de quinze minutos, e disse que somente em Coxilha poderia conseguir abrigo. Disse a ele que não iria dar tempo de chegar lá, pois estava bem na direção da chuva.

Lembrei que no entroncamento havia uma casa abandonada, e voltei para lá. Na verdade era uma antiga venda, que estava fechada. Nos outros três quadrantes não havia nada. Fiquei por ali mesmo. Felizmente a casa tinha uma espécie de varanda, que estava praticamente "de costas" para a direção da chuva. Fiquei por ali alguns minutos, e então veio o temporal.

Que loucura! O temporal chegou com ventos muitos fortes e granizo; muito granizo. Logo vi árvores sendo arrancadas na beira da estrada. Os carros paravam no acostamento e não continuavam viagem (sei lá o que era mais perigoso...). Só sei que do jeito que o temporal veio, ele foi embora, deixando um rastro de destruição.

Esperei um pouco mais, talvez por uns dez minutos, e resolvi seguir. A beira da estrada estava um caos. Passei pelo entroncamento e segui pela estrada, e não vi mais aquela venda onde perguntei sobre a chuva antes. Fiquei preocupado com aquele senhor, mas certamente deve ter ido procurar um canto para se proteger.

Pedalei por quilômetros acompanhado de muito gelo no acostamento, que mesmo com o sol, teimava em não diluir. Quando passei por Coxilha, 10 km adiante, aí sim vi o que era destruição. Grandes galpões à beira da estrada estavam todos destelhados. Os prejuízo devem ter sido imensos. Parei num posto de gasolina da região, e me falaram que nunca tinham visto nada igual; parecia que tinha passado um tornado por lá. E eu pensava em me proteger justamente lá...

Bem, segui meu rumo até Passo Fundo, menos de 20 km pra frente. Desci a rua principal, e fui até perto da Rodoviária, onde encontrei um hotel bem simples, e lá me encostei. De noite fui até um shopping perto para lanchar, e depois descansei bastante.

No dia seguinte, que já era o quinto dia de pedal, uma sexta-feira, deixei o hotel e peguei a avenida Brasil Oeste, de pistas duplas, e que cruza todo o centro de Passo Fundo. Foi assim que me indicaram para sair com mais facilidade rumo a Carazinho e, depois, Santo Ângelo. Tinha uns 12 km pela frente até chegar à BR 285.

No centro da cidade, percebi um carro lento ao meu lado. O sujeito no interior fazia sinais, buzinava, e eu não estava entendendo direito. Resolvi parar mais adiante e ver do que se tratava. Ele ficou feliz por eu ter parado; desceu do carro e veio ao meu encontro, já portando uma enorme máquina fotográfica, daquelas profissionais.

Como é normal nas viagens de cicloturismo, ele perguntou de onde e para onde estava vindo, e coisa e tal. Disse que era fotógrafo, jornalista, que trabalhava na rádio local, e também desejava ser vereador (claro...).

Pediu para tirar uma foto comigo, o que consenti. Achei que iria tirar uma foto minha, mas chamou um outro sujeito que atravessava a rua, e pediu para ele tirar uma foto de nós dois juntos... Normal. Depois de mais um papinho (que me atrasou um pouco), segui viagem.

Cheguei à BR, e o calor, já de manhã, era muito forte, diferente do que vinha enfrentando nos dias anteriores. Poucos quilômetros e já sentia que o dia iria ser difícil. A paisagem dos campos compensava essa dificuldade, e fui tocando.

O que percebi, e que primeiramente não causou estranheza, pois é comum nas estradas, foi que carros e caminhões que cruzavam por mim, buzinavam com mais frequência. Sei que naquela época eram poucos os cicloturistas que faziam essas "aventuras", mas de qualquer forma parecia exagerado, pois nos dias anteriores não via isso.

Passei pela entrada de Carazinho, 36 km depois (a cidade fica mais para dentro, à direita da estrada), e aproveitei para comer alguma coisa e me hidratar. Segui. Então 20 km depois parei novamente para me hidratar. Vi que tinha uma espécie de venda, para dentro. Não havia qualquer placa, mas na casa de madeira tinha algo que indicava a venda de bebidas. Só podia ser ali; estava exausto e "seco" por um refrigerante.

Estava aberto, e era uma venda sim. Móveis antigos, inclusive do balcão, e refrigeradores horizontais também. Ninguém estava por ali. Chamei, e uma senhora veio lá de dentro. Cumprimentei e pedi por um refrigerante de litro, ou até de dois mesmo. Ela assentiu e se dirigiu ao balcão, rodopiou aquelas baleiras antigas, com várias partes. Abriu uma delas, e enfiou a mão dentro, no meio de balas (eu não estava entendendo nada, pois havia pedido refrigerante...).

De dentro do baleiro tirou uma chave, e com ela foi até um dos refrigeradores horizontais e abriu um cadeado, para então me servir o refrigerante. Me esparramei num sofá, também velho, que estava no meio do salão, num ambiente esquisito, mas fresco, pelo menos.

Logo depois ela veio para perto de mim e disse:

- O moço está vindo de Curitiba, certo? Que aventura, não? E continuou.
- Tem mais gente aí vindo de ônibus, certo? Também vão pedalar com você? Fiz uma cara de espanto, com certeza, e demorei um pouco para entender como ela sabia disso, pois apenas havia pedido o refrigerante... Mas ela em seguida clareou as coisas.
- É, eu estava escutando o rádio, e o homem disse que estava passando um ciclista pela região; só pode ser o moço, não?

Então estava tudo esclarecido. Entendi também o porquê das buzinas no caminho. O homem que encontrei na cidade já havia anunciado na rádio minha passagem por Passo Fundo, e disse que eu estava indo até a região das Missões; assim como também disse que eu esperava meus amigos, que viriam de ônibus no dia seguinte. Muito legal isso. Fiquei "famoso" por uns minutos (rs).

Precisava continuar, mas já estava vendo que o dia passava rápido, e eu não me aproximava muito do destino, que era Santo Ângelo. Até ali naquela senhora, já havia feito 105 km, e restavam 150 até lá. Com certeza não mensurei corretamente a jornada.

Fazia muito calor, e eu derretia. Segui até a entrada da cidade de Santa Bárbara do Sul, e parei num posto de gasolina. Comi alguma coisa e me hidratei. Estava num dilema: seguir mais para frente pedalando (eram 15:00), dormir por ali, ou pegar um ônibus até o destino.

Perguntei por hospedagem, e me disseram que tinha na cidade, para dentro. Perguntei das condições da estrada, e me disseram que o acostamento estava bem ruim dali para frente, e que o calor aumentava ainda mais naquela região. Perguntei, finalmente, por ônibus, e me disseram que ele já havia entrado na cidade, e logo voltaria para estrada, tendo um ponto logo ali na esquina... Saí correndo (rs).

Não demorou muito e ele chegou. Só estava eu e a bicicleta ali no ponto, e o cobrador desceu (era um pinga pinga). Pedi ao cobrador e motorista para eles abrirem o bagageiro para colocar a bicicleta, mas a cara do motorista me deixou preocupado. Logo ele disse que não tinha como levar. Argumentei que estava muito calor; que eu estava cansado, e estava vindo desde Curitiba pedalando; precisava descansar e chegar a Santo Ângelo; que as condições da estrada já não era tão boa, que eu desmontava a bicicleta se fosse necessário, etc e tal... Finalmente assentiu; enfiei a bicicleta inteira no bagageiro, que estava vazio diga-se de passagem, e embarquei, um pouco indignado, mas tranquilo. Sabia que estava tomando a decisão correta. Tinha mais 300 km para pedalar com a turma.

Pouco mais de 100 km para o ônibus chegar a Santo Ângelo, mas ele parava em tudo quanto é lugarzinho, e só chegou mesmo ao escurecer. Queria cochilar um pouco, mas não deu. Deixei para descansar no hotel. Procurei ficar no mesmo hotel que o grupo havia marcado, para facilitar.

Passei a manhã de sábado rodando por Santo Ângelo, na espera do grupo. Fui até o centro e já vi um lugar que parecia bom para o grupo almoçar; só estava torcendo para eles chegaram meio logo.

Voltei para o hotel e perto do meio dia começaram a chegar. Estranho isso, não é? Mas é que o Gestenn resolveu liberar alguns que quiseram, a pedalar desde o entroncamento de Entre Ijuís, menos de 10 km de Santo Ângelo. mesmo assim já chegaram meio cansados... O ônibus chegou depois com o resto da turma. Só aí que vi o tamanho e quem estava no grupo. Eram seis entre os parentes do Gestenn e outros dez (comigo incluído) os amigos. Dezesseis ao todo. Conhecia alguns.

Depois de ajeitarem no hotel, fomos todos andar pela cidade e almoçar; já passava das 13:30. O restaurante ainda estava aberto, felizmente. Todos estavam ansiosos para começar a Rota das Missões na manhã seguinte.

Chegou o domingo, e todos ajeitados, fomos para a estrada. Já nos primeiros movimentos do pedal, percebemos que o calor iria "pegar" alguns da turma. Cada um teve que levar suas coisas, pois não havia carro de apoio. O ônibus fretado não faria esse serviço; voltaria no sábado seguinte para pegar a turma, mas essa é uma outra história, que não precisa ser contada.

Eu já estava acostumado com a carga, assim como alguns do grupo; mas para outros, era a primeira vez uma viagem de cicloturismo "por conta". Tinha um que carregava uma grande mochila nas costas, além do porta água de dois litros. Sofreu barbaridade. Lembro de momentos em que ele desmontava da bicicleta em pequenas subidas, pegava uma bisnaga de Hipoglós e tascava o creme no traseiro...

Estávamos bem perto das ruínas de São João Batista, quando os primeiros pararam numa fazenda, onde uma família fazia sua tradicional roda de chimarrão. Foi muito bacana aquela interação com os "locais". Fizemos a hidratação, enquanto todos chegavam.
Pose na roda de chimarrão (não tomei...porque não gosto, hehe)


Problema é que ficamos muito tempo, e quando partimos, percebemos que estávamos a poucos metro das ruínas, e era hora de almoço, quando fechavam para visitas. Conseguimos resolver isso, pois o pessoal que cuidava morava pela região. Visitamos o primeiro sítio arqueológico das Missões.
São João Batista
Redução de São João Batista
Depois foi seguir sossegado até São Miguel, onde deveríamos pernoitar.

Visitamos as ruínas de São Miguel ainda no primeiro dia. De noite participamos do show de luzes e som, que enriquece e dá voz à história das reduções jesuíticas e suas ruínas.

















Show de Luzes e Som nas ruínas de São Miguel das Missões


Na segunda-feira partimos para São Luiz Gonzaga. No caminho paramos nas ruínas de São Lourenço Mártir, 23 km de São Miguel Arcanjo. Dia de muito sol e calor; alguns sentiram já no segundo dia, principalmente um rapaz que havia passado no vestibular de Medicina. Seu tio deu o passeio de presente, mas acredito que ele deveria estar muito tempo sem fazer exercícios; sofreu muito e teve de arranjar um jeito de voltar para Curitiba. Lembro que no meio desse trajeto, arranjamos uma carroça (pena que não tenho a foto), para transportá-lo até uma cidade.





Ruínas de São Lourenço

São Lourenço, também.

Até parece que eu sou de falar...kkkk (Escrevi com pedras: "Não falo mais")


Almoçamos num barracão do CTG (Centro de Tradições Gaúchas), perto das ruínas de São Lourenço, e depois fomos até São Luiz Gonzaga, onde pernoitamos. São Luiz é um dos sete povos, mas não tem qualquer vestígio do passado jesuítico.


Dia seguinte, terça, caímos na estrada novamente. A intenção do Gestenn foi a de chegar a São Nicolau e por lá pernoitarmos, mas chegando lá, almoçamos e fomos procurar lugar para dormir. As condições eram bem precárias. O Gestenn e os demais do grupo resolveram ficar assim mesmo. Eu e mais dois companheiros, preferimos seguir viagem até Porto Xavier, cidade pouco maior e estruturada, junto ao rio Uruguai, o estado faz divisa com a Argentina.

Antes de partir ainda fomos até as ruínas da cidade. Vimos a Adega, a praça principal e depois o solar dos Silva, casarão construído com as pedras das reduções indígenas.



Adega em São Nicolau

Chegamos ao anoitecer em Porto Xavier. Ficamos no hotel que já havia sido indicado pelo Gestenn. Fizemos um percurso de quase cem quilômetros no dia. Muito cansativo, mas teríamos o dia seguinte de folga, enquanto os demais do grupo teriam que enfrentar estrada até lá.

Como tínhamos essa folga, pegamos nossas bicicletas e resolvemos ir até o lado argentino. Atravessamos de balsa e fomos até a cidade de San Javier. Cidade pequena, que naquela época tinha poucos recursos. Quando resolvemos almoçar por lá, ao perguntarmos para uma moça, ela disse: - Vocês são brasileiros, não? Estão hospedados em Porto Xavier? Assentimos. - Então, voltem pra lá e almocem por lá mesmo; aqui não acharão nada de bom.

Rodamos um pouco por lá e fizemos isso mesmo; voltamos ao Brasil, almoçamos e ficamos esperando eles chegarem. Soubemos depois que tiveram um dia difícil, com muito calor, subidas, e o Gestenn acabou caindo e provavelmente quebrando um dos dedões da mão.

De noite fomos jantar na praça principal da cidade, todos juntos, onde pudemos prosear. No próximo dia já estaríamos retornando em direção a Santo Ângelo.

Já era quinta-feira, e começamos o retorno. Deixamos Porto Xavier e seguimos em direção a São Paulo das Missões, por estradas de chão, e muitas subidas. Para variar o calor estava insuportável. Lembro que tive um dos pneus da minha bicicleta furados, em virtude das pedras, numa descida ("mordida de cobra"). Como estava um pouco na dianteira, deu tempo de consertar e ainda seguir no meio do grupo.

Chegamos em São Paulo na hora do almoço. Procuramos um lugar e comemos. Depois fomos até a praça principal tirar um cochilo. Foi engraçado ver a turma esticada pelas gramas da praça. Eu não fiz isso. Fiquei por ali "morgando".

Já era tarde quando o Gestenn resolveu seguir. O objetivo era pernoitar em Cerro Largo. Estávamos na região do lado esquerdo da BR 392, e deveríamos passar para o lado direito, tudo em estradas de chão. Porém, ao chegarmos na BR, parte do grupo se dizia cansado (liderados pela esposa do Gestenn), e preferiam seguir pelo asfalto. Após alguns momentos de suspense, já que o Gestenn bateu o pé, pois queria cumprir sua programação, resolvi intervir e dizer a ele que ficava com esse grupo para apoiá-los, pois eram mais inexperientes.

- Se é assim, então podem seguir; façam o que quiserem... Disse o Gestenn.

Assim, ele seguiu por estrada de chão, com mais alguns rapazes, mais fortes, e eu conduzi o grupo maior pelo asfalto, até Cerro Largo. Confesso que incentivei o grupo a pedalar bem, inclusive empurrando um retardatário nas subidas, só para chegar antes do outro grupo, como se fosse uma competição (rs).

Chegamos antes mesmo, e procuramos um lugar para hospedagem. os demais chegaram já no escuro da noite...

O dia seguinte, que deveria ser o penúltimo de pedal, foi o mais tenso. Saímos por estrada de chão, para somente depois de um tempo pegar o asfalto. Parte do grupo "se arrastava". Eram apenas 20 km até Guarani das Missões.


Igreja de Guarani das Missões
Os mais "inteiros" chegaram mais cedo ao centro da cidade, que fica do lado esquerdo da BR 392, um pouco para dentro. Eu estava entre eles, e ficamos aguardando perto da Igreja. Confabulando com aqueles, chegamos à conclusão de que não havia sentido pernoitar ali, numa cidade pequena, sem nada para fazer. Santo Ângelo ficava a apenas 40 km de distância, que, pelo asfalto, renderia melhor, e chegaríamos cedo. Poderíamos, inclusive, retornar para Curitiba na sexta mesmo, e não no sábado como estava previsto. Quando o Gestenn chegou, manteve a programação.

O dia acabou sendo o último para mim e para outros também, que sequer haviam parado em Guarani das Missões.

Tudo certo. No frigir dos ovos foi uma clicloviagem especial. Para mim, especialmente, abriu minha mente para a história dos jesuítas com os índios guaranis, e as portas para tantas outras visitas, com e sem bicicleta.


Completei 1000 km ao chegar em Santo Ângelo. Ladeado pelos parceiros Wilson e Viana




SETEMBRO DE 2004



Como a Maria do Carmo não pode estar comigo no começo do ano, convidei-a para fazer o circuito das Missões, e ela topou.

Fizemos o básico: ônibus até Santo Ângelo. Da Rodoviária mesmo partimos para São João Batista e depois São Miguel. Como chegamos já no escuro, perdemos a apresentação nas ruínas. Prometi a ela que daria um jeito na volta.

Dia seguinte São Lourenço e São Luiz Gonzaga. Depois São Nicolau e Porto Xavier.

Pegamos um ônibus até São Luiz Gonzaga, na volta, e de lá pedalamos até São Miguel, onde pude mostrar para a Carmo a beleza do show de sons e luzes das ruínas.

Depois voltamos pedalando até Santo Ângelo para apanhar o ônibus até Curitiba.













Feriado de Independência, e participamos do desfile...

















Santo Ângelo


PASSAGEM DE ANO 2007/2008


Como vínhamos fazendo nos finais de anos anteriores, quando chegou final de 2007, aproveitando o recesso do meu serviço e da Carmo, resolvemos ir até as Missões novamente, porém explorando o lado argentino, o das "Missiones", e assim conhecer alguns sítios arqueológicos daquela região, como o de San Ignacio Mini.

A ideia era a de ir de ônibus até Foz do Iguaçu, e de lá iniciar a cicloviagem através das Missiones Argentinas, e depois entrar novamente no Brasil pela região dos 7 Povos das Missões, no Rio Grande do Sul, e assim o fizemos.

Antes, porém, é preciso dizer que nossa amiga Sandra, sabendo de nossa ideia, falou conosco e se juntou à expedição.

A história completa dessa cicloviagem encontra-se no meu livro "Curtindo a Vida...de Bicicleta" (ainda tenho alguns exemplares comigo - foi uma edição pequena, com pouco mais de 100 exemplares).

Vou apenas lembrar aqui desse passeio, com algumas fotos.














DEZEMBRO DE 2008

Com o amigo Heron percorri a região no final daquele ano de 2008. Aproveitei a experiência com a Carmo e fiz um percurso muito parecido. Vejam alguns registros da época:































SETEMBRO DE 2011


Foi a vez de levar o compadre Rubens. Mesma forma que levei a Carmo e o Heron, com pequenas alterações. Vejam as fotos a seguir:







































































PASSAGEM DE ANO 2016/2017

Nessa última virada de ano, convidei amigos para conhecer toda essa riqueza de história, prometendo ir um pouco além dos campos gaúchos brasileiros, dos sete povos, seguindo até a Argentina e o Paraguai.

Assim, fomos eu, a Maria do Carmo, o Neimar, o Wendell, o Augusto, a Manu, a Sofia, o Juliano, a Fernanda, o Fabio e o Henri.

Essa expedição internacional foi show, com alguns perrengues, é claro, mas deu tudo certo. Conto isso separado, outra hora.


PASSEIO DA MELHOR IDADE

Para fechar as 7 vezes que estive na região, é preciso contar com a viagem que programei com o grupo da minha mãe, da melhor idade, o "Curtindo a Vida" (de onde tirei o nome para esse blog).

Minha mãe sempre organizava passeios e viagens com seu grupo, e sempre quis leva-los até o Rio Grande do Sul para conhecer suas belezas. Ela um dia aceitou a proposta e convidou seu pessoal.

É claro que dessa vez o passeio não envolvia bicicleta. Convidei um casal de amigos e seus filhos, e fomos. Estávamos em 26 pessoas. Servi de guia.

Primeiro passamos na Serra do Rio do Rastro, ainda em Santa Catarina, quando mais da metade do grupo desceu do ônibus e percorreu cerca de cinco quilômetros a pé a linda estrada. Depois subimos novamente, já embarcados, e de Bom Jardim da Serra fomos até a Fazenda Montenegro, quando visitamos o cânion do mesmo nome.

De lá fomos parar em Cambará do Sul, onde pernoitamos duas noites. Visitamos os cânions Itaimbezinho e Fortaleza. Depois fomos para Canela e Gramado, de passagem, e também Caxias do Sul.

Aí sim chegamos às MISSÕES. Levei-os conhecer São Miguel, São Luiz Gonzaga, São Nicolau e Santo Ângelo.

Lembro de ver no rosto de cada participante, quando retornamos a Curitiba, da expressão de felicidade de todos. Foi cansativo, pois fizemos tudo isso de terça-feira a domingo, mas foi muito prazeroso.




































Nenhum comentário:

Postar um comentário